Grupo suspeito de assaltar e extorquir vítimas usava plataforma de jogos online para ocultar dinheiro roubado, diz polícia

0
13

Sequestro de empresários em Paraíso do Tocantins levou a Polícia Civil a cumprir nove mandados de busca e apreensão em endereços de suspeitos e a recuperar relógios de alto valor que pertencem às vítimas. Policiais cumpriram mandados no início da manhã desta sexta-feira (24)
Divulgação/Polícia Civil
Uma operação realizada nesta sexta-feira (24) cumpriu nove mandados contra supostos integrantes de um grupo especializado em assaltar, sequestrar e extorquir vítimas. Para ocultar o dinheiro roubado, os envolvidos estariam usando uma plataforma de jogos na internet.
Agentes da 6ª Divisão de Combate ao Crime Organizado (Deic) de Paraíso do Tocantins, com o apoio de outras especializadas, cumpriram nove mandados de busca e apreensão em endereços dos investigados em Palmas e no distrito de Luzimangues.
Foram recuperados nove relógios de luxo, alguns avaliados em mais de R$ 5 mil, além de bens que teriam sido comprados com o dinheiro roubado das vítimas.
Os nomes dos alvos da operação não foram divulgados e o g1 não conseguiu contato da defesa.
A investigação começou após um casal de empresários de Paraíso ser sequestrado por criminosos, no dia 14 de fevereiro deste ano. Segundo a Polícia Civil, eles foram abordados por três homens por volta das 22h, amarrados e feitos reféns enquanto os suspeitos pegavam joias em ouro, 16 relógios de grife e a caminhonete do casal.
O delegado Antônio Onofre Oliveira da Silva Filho, responsável pela operação, explicou que as vítimas também foram obrigadas a fazer transferências bancárias e após isso, foram deixados na zona rural da cidade de Barrolândia.
O casal encontrou a caminhonete alguns quilometros depois, após os suspeitos abandonarem o veículo.
LEIA TAMBÉM:
Ex-prefeito é suspeito de chefiar esquema de fraudes em investimentos do instituto de previdência de Palmas, diz decisão
Suspeito de roubar carro, joias e dinheiro é preso após testes de DNA comprovarem crime, diz polícia
Plataforma online
Para ocultar o dinheiro roubado das vítimas, os investigadores descobriram que os suspeitos utilizavam uma plataforma de jogos online. Eles obrigavam as vítimas a realizarem transferências bancárias em nome desta plataforma em questão e segundo a polícia, o objetivo era dificultar o rastreio das quantias.
Mandado sendo cumprido em um dos endereços de suspeitos
Divulgação/Polícia Civil
A investigação ainda descobriu quem é o suposto responsável por operar a plataforma de jogos online e que teria realizado o saque das transferências, mas o nome não foi informado. Dos 16 relógios furtados, a polícia conseguiu recuperar nove.
Os alvos da operação, segundo o delegado, já possuem passagens pelos crimes de roubo a banco, explosão de caixas eletrônicos, latrocínio, extorsão, tráfico de drogas, além de serem apontados como autores de outros roubos e extosões.
O inquérito policial com os nomes dos envolvidos será enviado ao Judiciário e Ministério Público Estadual. Segundo a polícia, eles devem responder por roubo qualificado por uso de arma de fogo, concurso de pessoas e restrição da liberdade, associação criminosa e lavagem de capitais.
Policiais de várias delegacias participaram da ação
Divulgação/Polícia Civil
Veja mais notícias da região no g1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins